PLANTAS MEDICINAIS

As plantas consideradas medicinais, contém substâncias bio-ativas com propriedade terapêuticas, profilática e paliativa, conhecidas desde os tempos remotos. Essas plantas são utilizadas pela medicina atual, chamada fitoterápia e suas propriedades são estudadas nos laboratórios farmacêuticos, a fim de isolar as substâncias que lhe conferem propriedades curativas. Muitas destas plantas são venenosas ou tóxicas, devendo ser usadas em doses muito pequenas para terem o efeito desejado. Toda a planta, mesmo alimentícia, pode ser potencialmente tóxica dependendo da dosagem.

PASSE O CURSOR SOBRE A FOTO PARA LER (NÃO CLIQUE)

TEMÁTICA

As plantas medicinais são utilizadas pela medicina atual (fitoterapia). Entretanto, a planta “in natura” ou pré porcessada utilizada pela população sem recomendação médica é uma prática denominada “Medicina Popular” e obviamente tem seus riscos, como a dificuldade em se estabelecer dose, posologia e, em alguns casos, a verdadeira identidade de algumas espécies.

Desta forma, este espaço apresenta o uso das plantas medicinais como alternativa terapêutica e para tanto, deve ser acompanhada por um profissional da saúde.



LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico, apenas informativa. Consulte sempre um profissional da saúde para qualquer tipo de informação.

22 de fev de 2011

GINKGO BILOBA - Ginkgo biloba - Propriedades Medicinais - 99

NOME CIENTÍFICO
FAMILIA
Ginkgoceae
NOME    CIENTÌFICO
Ginkgo biloba
NOME POPULAR
Ginko biloba, ginkgoácea, nogueira-do-japão. Espangha: Árbol sagrado. França: Ginkgo biloba.
PARTE USADA
Folhasou extratos
PRINCÍPIO ATIVO
Ácidos graxos flavanoids, glicosídeos, quercitinas, luteolinas, catequinas, óleo essencial, e substancias do grupo terpenicos específicos (bilobálido e ginksólidos A,B e C)
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Melhora o fluxo sangüíneo para os tecidos e órgãos. Combater a danificação de células pelos radicais livres, agindo como antioxidante natural. Evita a agregação plaquetária, que está relacionada com o desenvolvimento de problemas cardiovasculares, respiratórios, renais e problemas no sistema nervoso.
Na medicina tradicional chinesa, as folhas de ginkgo biloba são usadas para combater vários problemas de saúde como asma, bronquite, problemas de perda de audição, tuberculose, deficiência circulatória, perda de memória, dor de estômago, problemas de pele, ansiedade entre outros
INDICAÇÕES
As principais indicações terapêuticas para os extratos de G. biloba são o tratamento de deficiências na cognição (em particular falhas de memória e dificuldade de concentração), depressão, vertigens, zumbidos no ouvido, dor de cabeça e síndromes de demência. Também são indicados para o combate à doença arterial periférica oclusiva Fontaine estágio II (claudicação intermitente), que compromete o desempenho físico dos pacientes, levando a dificuldades para caminhar. Outras recomendações incluem casos de asma, impotência sexual, alergias e síndrome pré-menstrual.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
Árvore de folhas caducas que atinge uma altura de 20 a 30 metros. Tem folha
grossas, elípticas, dividida em dois lóbulos, daí surgiu “biloba”. A palavra biloba vem do formato bilobado das folhas. É uma das árvores mais antigas que se tem notícia, com registros fósseis datando de mais de 250 milhões de anos atrás. Charles Darwin se referiu à ginko bilobacomo "fóssil vivo" e ilustrações da época dos dinossauros freqüentemente incluem árvores de ginkgo biloba



ORIGEM
China
MODO DE USAR

A doese recomendada é de 1 cápsula de 80 mg, duas vezes ao dia, ou a critério médico. O produto deve ser tomado, preferencialmente durante as refeições.
O extrato está padronizado em 19,2 mg de glicosídeos ginkgoflavonóides e 4,8 mg de terpenolactonas por cápsula. O que equivale a 80mg do extrato.
PRECAUÇÕES
Podem ocorrer distúrbios gastrintestinais e, especialmente em casos de predisposição alérgica, transtornos circulatórios, Incluindo queda de pressão arterial, cefaléia ou reações cutâneas.
Pacientes com distúrbios de coagulação ou em terapia com anticoagulantes em doses elevadas.
CONTRAINDICAÇÕES
Não deve ser utilizado durante a gestação e lactação devido à ausência de estudos clínicos nessas condições
Formatação e pesquisa: Helio Rubiales
Fontes:
cienciahoje.uol.com.br
portaleducacao.com.br
cantoverde.org
pt.wikipedia.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário