PLANTAS MEDICINAIS

As plantas consideradas medicinais, contém substâncias bio-ativas com propriedade terapêuticas, profilática e paliativa, conhecidas desde os tempos remotos. Essas plantas são utilizadas pela medicina atual, chamada fitoterápia e suas propriedades são estudadas nos laboratórios farmacêuticos, a fim de isolar as substâncias que lhe conferem propriedades curativas. Muitas destas plantas são venenosas ou tóxicas, devendo ser usadas em doses muito pequenas para terem o efeito desejado. Toda a planta, mesmo alimentícia, pode ser potencialmente tóxica dependendo da dosagem.

PASSE O CURSOR SOBRE A FOTO PARA LER (NÃO CLIQUE)

TEMÁTICA

As plantas medicinais são utilizadas pela medicina atual (fitoterapia). Entretanto, a planta “in natura” ou pré porcessada utilizada pela população sem recomendação médica é uma prática denominada “Medicina Popular” e obviamente tem seus riscos, como a dificuldade em se estabelecer dose, posologia e, em alguns casos, a verdadeira identidade de algumas espécies.

Desta forma, este espaço apresenta o uso das plantas medicinais como alternativa terapêutica e para tanto, deve ser acompanhada por um profissional da saúde.



LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico, apenas informativa. Consulte sempre um profissional da saúde para qualquer tipo de informação.

21 de fev de 2011

GUACO - Mikania glomerata S.- Propriedades Medicinais - 98




FAMÍLA

Asteraceae.

NOME CIENTÍFICO

Mikania glomerata S.

NOMES POPULARES
Guaco - liso, guaco – de – cheiro, erva – das – serpentes, cipó – catinga, uaco, erva –de – cobra, cipó – sucuriju, erva – de – sapo, coração – de – Jesus, erva – cobre, guaco – trepador.,cipó -da –caatinga,
erva de serpentes, guaco verdadeiro, guape,  micânia
 PARTES USADAS
Folhas
PRINCÍPIO ATIVO
Óleo essencial: contém de sesquiterpenos, Taninos,  Saponinas,  Resinas,  Substâncias amargas: guacina, Cumarinas E Guacosídeo
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Diurético, béquico, expectorante, anti-reumático, febrífugo, sudoríparo e depurativo.
INDICAÇÕES
Afecções do aparelho respiratório: tosses rebeldes, bronquite, asma, rouquidão. Gota, reumatismo, nevralgias, contusões, artritismo. Estados febris. Inflamações na garganta, inflamações intestinais. Ferimentos, picadas de cobra. Pruridos, eczemas. Albuminúria ( excesso de albumina no organismo ). Sífilis. Hemiplegia ( paralisia de um lado do corpo ) e suas seqüelas.

DESCRIÇÃO BOTÂNICA
Subarbusto com ramos trepadores que se fixam em torno de um suporte, lenhosos, cilíndricos, estriados, castanhos e sem pêlos; folhas pecioladas, opostas, providas de contorno oval, com três recortes pouco profundos e arredondados, ápice acuminado e base arredondada; flores organizadas em inflorescência brancas com capítulos sésseis, reunidos em glomérulos globosos ou oblongos; fruto simples, seco, piloso ou levemente glabro com uma semente.

ORIGEM
América do Sul, vegetando principalmente na Argentina, Paraguai, Uruguai e no Brasil, especialmente no Sul e Sudeste.
MODO DE USAR
 Uso Interno
Infuso ou decocto a 2%: tomar 50 a 200mL / dia. 
Extrato fluido: 1 a 4 mL / dia. AR
Tintura: 50 a 20 mL / dia. 
Xarope ( Farm. Bras. ): 10 a 40 mL / dia.
Uso externo
Infuso ou decocto a 5%: aplicar várias vezes ao dia. 
Suco da planta: fazer fricções sobre a parte dolorida.
 CONTRAINDICAÇÕES
Pode causar vômitos e diarréia quando usado em excesso. Podem ocorrer acidentes hemorrágicos (ontagonismo ( inibe ) com a vitamina K), quando usado em tempo prolongado.Não pode ser utilizado por mulheres com menstruação abundante, pois provoca o aumento do fluxo menstrual.
Formatação e pesquisa: HRubiales 
unilavras.edu.br
campinas.snt.embrapa.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário