PLANTAS MEDICINAIS

As plantas consideradas medicinais, contém substâncias bio-ativas com propriedade terapêuticas, profilática e paliativa, conhecidas desde os tempos remotos. Essas plantas são utilizadas pela medicina atual, chamada fitoterápia e suas propriedades são estudadas nos laboratórios farmacêuticos, a fim de isolar as substâncias que lhe conferem propriedades curativas. Muitas destas plantas são venenosas ou tóxicas, devendo ser usadas em doses muito pequenas para terem o efeito desejado. Toda a planta, mesmo alimentícia, pode ser potencialmente tóxica dependendo da dosagem.

PASSE O CURSOR SOBRE A FOTO PARA LER (NÃO CLIQUE)

TEMÁTICA

As plantas medicinais são utilizadas pela medicina atual (fitoterapia). Entretanto, a planta “in natura” ou pré porcessada utilizada pela população sem recomendação médica é uma prática denominada “Medicina Popular” e obviamente tem seus riscos, como a dificuldade em se estabelecer dose, posologia e, em alguns casos, a verdadeira identidade de algumas espécies.

Desta forma, este espaço apresenta o uso das plantas medicinais como alternativa terapêutica e para tanto, deve ser acompanhada por um profissional da saúde.



LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico, apenas informativa. Consulte sempre um profissional da saúde para qualquer tipo de informação.

22 de fev de 2011

ULMÁRIA - Spiraea ulmária L.- Propriedades Medicinais - 100


FAMILIA
Rosaceae
NOME CIENTÍFICO
Spiraea ulmária L.
NOME POPULAR
Erva-ulmária, ulmeria, rainha-dos-prados, filipendula, barba-de-bode, ervas-ulmária.
PARTE USADA
Toda a planta florida
PRINCÍPIO ATIVO
Contém uma essência especial, o tanino espireína. Óleo essencial, solicina, gualterina, ácido salicílico, flavanóides (quercetina e caebferol), ésteres, alccóis, taninos (10% antociacilino), heliotropina, vitamina C, cumarinas, sais minerais: Fe, Ca e S,.
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Age protegendo e suavizando a mucosa do trato digestivo, reduzindo a acidez excessiva e náuseas. A presença de compostos semelhantes à aspirina, dá a esta planta uma ação antitérmica e analgésica nas dores reumáticas. Pelo efeito diurético favorece a eliminação de cloretos, uréia e ácido. É eficaz para curar os rins e a bexiga.
INDICAÇÕES
Diurético, gota, reumatismo, edemas, hidropisia, oligúrias, celulite, artrite,. insuficiência biliar, diarréia, hemorróidas, gripes, febres, hiperacidez gástrica e úlceras pépticas.
Atua como cicatrizante e anti-séptico em queimaduras leves
As flores e em menor proporção as folhas, contêm uma substância ( glicósidio onotropitina) que por hidrólise na planta fresca, se transformam em salicilatos alcalinos. Todos estes derivados salicílicos proporcionam, à semelhança do ácido acetilsalicílico (aspirina), ação anti-inflamatória, analgésica e febrífuga. Possuí ainda flavonóides de acão diurética.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
É uma erva perene, que alcança mais de um metro de altura.  A raiz é subterrânea e herbácea; as folhas são pecioladas, irregulares, os folíolos são sensíveis, pequenos e de cor branca.
De porte majestoso, as suas flores foram objeto de numerosas análises. Contém uma essência especial, o tanino espireína.
ORIGEM
É originária da Europa e Ásia, encontra condições ideais para se desenvolver em solos úmidos, ricos em substâncias nutricionais, mas não muito ácidos, arenosos ou argilosos.
É encontrada principalmente em prados úmidos, bosques e nas margens dos rios e lagos, dos Estados Unidos.
MODO DE USAR
Hidropsia
-500 g de flor de ulmária reduzida a pó, 2 litros de vinho branco. Tomar pela manhã em jejum, na medida de 200 ml de cada vez
Arteriosclerose
-Infusão da planta tomada após as refeições

Redução das taxas de uréia e reumatismo
-Brotos de ulmária em forma de xarope
250 g em 2 litros de água fervente. Quando a temperatura da água descer a menos de 90°, despejá-la sobre a planta. Adicionar uma porção de açúcar equivalente ao dobro do seu peso.
Tomar de 100 a 200 g por dia.
Formatação e pesquisa: HRubiales
pt.wikipedia.org
naturezacelestial.wordpress.com
cantoverde.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário