PLANTAS MEDICINAIS

As plantas consideradas medicinais, contém substâncias bio-ativas com propriedade terapêuticas, profilática e paliativa, conhecidas desde os tempos remotos. Essas plantas são utilizadas pela medicina atual, chamada fitoterápia e suas propriedades são estudadas nos laboratórios farmacêuticos, a fim de isolar as substâncias que lhe conferem propriedades curativas. Muitas destas plantas são venenosas ou tóxicas, devendo ser usadas em doses muito pequenas para terem o efeito desejado. Toda a planta, mesmo alimentícia, pode ser potencialmente tóxica dependendo da dosagem.

PASSE O CURSOR SOBRE A FOTO PARA LER (NÃO CLIQUE)

TEMÁTICA

As plantas medicinais são utilizadas pela medicina atual (fitoterapia). Entretanto, a planta “in natura” ou pré porcessada utilizada pela população sem recomendação médica é uma prática denominada “Medicina Popular” e obviamente tem seus riscos, como a dificuldade em se estabelecer dose, posologia e, em alguns casos, a verdadeira identidade de algumas espécies.

Desta forma, este espaço apresenta o uso das plantas medicinais como alternativa terapêutica e para tanto, deve ser acompanhada por um profissional da saúde.



LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico, apenas informativa. Consulte sempre um profissional da saúde para qualquer tipo de informação.

10 de jul de 2009

TOMATE -Lycopersicum esculentum (L)H.Karts-Propriedades Medicinais-03




Flor

Tomate


Tomates colhidos

Detalhe da plantação

Plantação

TOMATE
FAMÍLIA: Solanáceas
NOME CIENTÍFICO:Lycopersicum esculentum (L.) H. Karst.
NOME POPULAR: Tomate, tomateiro , Tomato (inglês), Pomerolo, pomodoro (italiano), Pomme d´amour (francês)
PARTE USADA: Folhas e frutos
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Diurético, laxativo, elimina o ácido úrico, antioxidante, antiinflamatório, antifúngica, inibidora da absorção do colesterol
PRINCÍPIOS ATIVOS
Água, açúcares, ácidos orgânicos, pectinas, potássio, fósforo, vitaminas, pigmentos sais minerais; saponinas; tomatina, tomatidina, solanina, ácido clorogênico, furocumarina.
FRUTOS MADUROS:
água, açúcares (sacarose, frutose, glicose); ácidos orgânicos (málico, cítrico, tartárico, oxálico e succínico); pectinas; potássio; fósforo; vitaminas (A, B1 - tiamina, B2 - riboflavina, B5 - niacina, C - ácido ascórbico); pigmentos (licopeno - que dá a cor vermelha ao fruto - e xantofilas).
FOLHAS:
rutina; sais minerais; saponinas; tomatina, tomatidina, solanina. Contém ainda ácido clorogênico e furocumarina.
INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
Cicatrizante em queimaduras, gargarejos, aftas e sapinhos, tratamento de Candida albicans, auxiliar no tratamento de hiperplasia benigna de próstata, auxiliar no tratamento para redução de colesterol.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
Planta anual, ereta, com ramos herbáceos, muito ramificada. Flores amarelas, dispostas em cachos. Fruto comestível em diversos formatos, geralmente globoso, de casca fina e vermelha, com muitas pequenas sementes. O tomateiro é uma planta fanerógama, angiosperma e dicotiledônea. Apesar da crença generalizada de que seja um legume, é, na realidade, um fruto, uma vez que é o produto do desenvolvimento do ovário e do óvulo da flor, formando o pericarpo e as sementes, respectivamente, após a fecundação.
O tomate é rico em licopeno e contém vitamina C.
ORIGEM: América do Sul - região andina. Foi levado para a Europa e América do Norte
COMPOSIÇÃO
Composição dos frutos maduros de tomate (% na matéria seca).
*Açúcares (sólidos solúveis)
>Glucose 22
>Frutose 25
>Sucrose 1
*Sólidos insolúveis em álcool
>Proteínas 8
>Substâncias pécticas 7
>Hemicelulose 4
>Celulose 6
*Ácidos orgânicos
>Ácido cítrico 9
>Ácido málico 4
*Minerais
>Principalmente K, Ca, Mg e P 8
*Outros
>Lipídios 2
>Aminoácidos dicarboxílicos 2
>Pigmentos 0,4
>Ácido ascórbico 0,5
>Voláteis 0,1
*Outros aminoácidos, vitaminas e polifenóis 1,0
Fonte: Davies & Hobson (1981)
VITAMINAS
Teores de vitaminas nos frutos maduros de tomate (valores médios por 100 g de fruto fresco).
>Vitamina A (b-caroteno) 900 – 1271 i.u.*
>Vitamina B1 (tiamina) 50 – 60 m g
>Vitamina B2 (riboflavina) 20 – 50 m g
>Vitamina B3 (ácido pantotênico) 50 – 750 m g
>Vitamina do complexo B6 80 – 110 m g
>Ácido nicotínico (niacina) 500 – 700 m g
>Ácido fólico 6,4 – 20 m g
>Biotina 1,2 – 4,0 m g
>Vitamina C 15000 – 23000 m g
>Vitamina E (a-tocoferol) 40 – 1200 m g
* 1 i.u. (unidade internacional) = 0,6 m g de b-caroteno.
Fonte: Davies & Hobson (1981)


MODO DE USAR
>Queimaduras
O decoto das folhas aliviam queimaduras e aceleram o processo de cicatrização.
>Artrite
O suco de tomate, com um pouco de salsa, auxilia no tratamento de artrite (Balbach).
>Hiperplasia de próstata
Usar diariamente na alimentação, ou em forma de suco: uma xícara por dia, durante vários meses (Matos, 2002). Já existem medicamentos fitoterápicos à base de licopeno, podendo ser utilizados, com segurança, no lugar do fruto ou do suco.
>Candidíase bucal (sapinhos)
Usa-se o bochecho do sumo recém-preparado por trituração do fruto e passado na peneira (Matos, 2002).
>Artritismo, reumatismo
Tomar diariamente 100 a 200ml de suco de tomate fresco todos os dias.
Para reduzir ácido úrico
Tomar diariamente 200 a 250ml de suco de tomates frescos e maduros.

CONTRA INDICAÇÃO
Internamente, o fruto do tomate verde não deve ser usado, devido à presença de um glicoalcalóide esteroidal, a solanina. Pessoas sensíveis ao ácido oxálico também não devem ingerir tomate (Panizza, 1997).
Enquanto se estiver ingerindo quantidades grandes de tomate (fruto), deve-se evitar a exposição, demorada, ao sol, devido à ação fotossensibilizante das furocumarinas presentes no tomate (Lorenzi, 2002).
As folhas não devem ser usadas internamente, apresentando fortes efeitos como: diarréia, cólicas, vômitos.
As folhas também são utilizadas popularmente como abortivas.
Fontes
Débora Gikovate, Bióloga, Especialista em Plantas Medicinais (São Paulo, SP),
Embrapa
Wikipedia

Formatação e pesquisa: Helio Rubiales

Nenhum comentário:

Postar um comentário