PLANTAS MEDICINAIS

As plantas consideradas medicinais, contém substâncias bio-ativas com propriedade terapêuticas, profilática e paliativa, conhecidas desde os tempos remotos. Essas plantas são utilizadas pela medicina atual, chamada fitoterápia e suas propriedades são estudadas nos laboratórios farmacêuticos, a fim de isolar as substâncias que lhe conferem propriedades curativas. Muitas destas plantas são venenosas ou tóxicas, devendo ser usadas em doses muito pequenas para terem o efeito desejado. Toda a planta, mesmo alimentícia, pode ser potencialmente tóxica dependendo da dosagem.

PASSE O CURSOR SOBRE A FOTO PARA LER (NÃO CLIQUE)

TEMÁTICA

As plantas medicinais são utilizadas pela medicina atual (fitoterapia). Entretanto, a planta “in natura” ou pré porcessada utilizada pela população sem recomendação médica é uma prática denominada “Medicina Popular” e obviamente tem seus riscos, como a dificuldade em se estabelecer dose, posologia e, em alguns casos, a verdadeira identidade de algumas espécies.

Desta forma, este espaço apresenta o uso das plantas medicinais como alternativa terapêutica e para tanto, deve ser acompanhada por um profissional da saúde.



LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico, apenas informativa. Consulte sempre um profissional da saúde para qualquer tipo de informação.

10 de set de 2009

AGRIÃO - Nasturtium officinalis - Propriedades Medicinais - 37





Flor do agrião


AGRIÃO
FAMÍLIA: Cruciferae
NOME CIENTÍFICO: Nasturtium officinalis
NOME POPULAR
Agrião, Jambu, agrião-da-água, berro, agrião aquático, agrião do rio, agrião-das-fontes, , agrião-da-ribeira, mastruço-dos-rios, rabaça-dos-rios, agrião-d’agua-corrente, agrião-da-europa, agrião-da-ponte, agrião-oficinal, berro, cardamia-jontana, cardomo-dos-rios,
PARTE USADA: Toda a planta
PRINCÍPIOS ATIVOS
Iodo, potássio, fósforo, óleo, sais minerais, vitaminas, óleo essencial; glicosídeos, gliconastursídeo. Fermento (mirosina). Sais minerais, vitaminas, proteínas, carotenos, clorofila.
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Depurativo, antiescorbútico, diurético, antidiabético, anti-raquitismo, expectorante, ungüento, cicatrizante
INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
Tuberculose, afecções pulmonares, tosse, bronquite, afecções respiratórias em geral


Ciclo botânico
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
O agrião é uma planta herbácea, perene, de rápido crescimento e utilizada há muito tempo como salada e medicinal. De caule tenro, verde, carnoso, glabro e fistuloso (oco), o agrião pode alcançar facilmente 70 cm de altura. Suas folhas são alternadas, pinadas e pecioladas com cerca de 3 a 11 folíolos ovais a lanceolados, sendo que o folíolo terminal é maior que os demais. Possui raízes principais e adventícias, que surgem nos nós do caule submerso. As inflorescências em rácemos terminais, despontam no verão, e são compostas por numerosas e pequenas flores brancas, de quatro pétalas cada.
ORIGEM: Europa e Ásia
COMPOSIÇÃO
100 g contêm, em média:
Macrocomponentes
Glicídios (g)........................................... 3
Proteínas (g)......................................... 1
Lipídios (g)............................................ 0
Fibras alimentares (g) .........................1
Vitaminas
Vitamina A1 (mg)............................ 187
Vitamina B1 (mg).............................. 79
Vitamina B2 (mg)........................... 154
Vitamina B3 (mg)............................... 1
Vitamina C (mg)............................... 43
Minerais
Sódio (mg)......................................... 33
Potássio (mg) ..................................180
Cálcio (mg)...................................... 168
Fósforo (mg) .....................................41
Ferro (mg).......................................... 2
Conteúdo energético (kcal) 22
RECOMENDAÇÕES
*É um vegetal recomendado pelo seu valor nutritivo, teor de vitaminas e ótimo paladar, com odor característico e sabor francamente amargo e picante. As folhas somente devem ser coletadas quando aparecem as flores.
*Utilizar sempre o vegetal fresco, com folhas verde-escuras.
LAVAGEM DAS FOLHAS
Antes de consumir as folhas cruas, lave-as com bastante cuidado em água corrente, removendo os talos grossos e as folhas amareladas ou escuras. Coloque as folhas verdes e talos finos em solução de água sanitária por 30 minutos (1 colher de água sanitária para 1 litro de água filtrada) ou use produtos próprios para higienização de saladas, disponíveis nos supermercados. Enxague as folhas com água filtrada, em seguida. ( Embrapa )
PRECAUÇÕES
Seu uso interno em grandes quantidades pode provocar irritações na mucosa do estômago e nas vias urinárias.

Formatação e pésquisa: Helio Rubiales
jardineiro.net
portalsaofrancisco.com.br
sitiosaocarlos.com.br
ceasacampinas.com.br
Erika Hecht

Nenhum comentário:

Postar um comentário