PLANTAS MEDICINAIS

As plantas consideradas medicinais, contém substâncias bio-ativas com propriedade terapêuticas, profilática e paliativa, conhecidas desde os tempos remotos. Essas plantas são utilizadas pela medicina atual, chamada fitoterápia e suas propriedades são estudadas nos laboratórios farmacêuticos, a fim de isolar as substâncias que lhe conferem propriedades curativas. Muitas destas plantas são venenosas ou tóxicas, devendo ser usadas em doses muito pequenas para terem o efeito desejado. Toda a planta, mesmo alimentícia, pode ser potencialmente tóxica dependendo da dosagem.

PASSE O CURSOR SOBRE A FOTO PARA LER (NÃO CLIQUE)

TEMÁTICA

As plantas medicinais são utilizadas pela medicina atual (fitoterapia). Entretanto, a planta “in natura” ou pré porcessada utilizada pela população sem recomendação médica é uma prática denominada “Medicina Popular” e obviamente tem seus riscos, como a dificuldade em se estabelecer dose, posologia e, em alguns casos, a verdadeira identidade de algumas espécies.

Desta forma, este espaço apresenta o uso das plantas medicinais como alternativa terapêutica e para tanto, deve ser acompanhada por um profissional da saúde.



LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico, apenas informativa. Consulte sempre um profissional da saúde para qualquer tipo de informação.

19 de mai de 2012

ALFAZEMA - Lavandula officinalis Chaix e Kitt. - Propriedades Medicinais - 111

Planta
Flores

FAMILIA
Labiatae
NOME CIENTÍFICO
Lavandula officinalis Chaix e Kitt.
SINONÍMIA
Lavandula angustifólia Mill, Lavandula officinalis Chaix, Lavandula spica L., Lavandula Vera DC., Lavandula vulgaris Lam.
NOME POPULAR
Lavanda, lavândula, nardo, espicanardo Nome em outros idiomas: Alemão (lavendel), Inglês (lavender), Francês (Lavende), Italiano (lavanda) lavândula, nardo, espicanardo
PARTE USADA
Folhas e flores
PRINCÍPIOS ATIVOS
Óleos essenciais (acetato de linalilo e linalol), taninos 12%, cumarinas, princípio amargo, saponina ácida, resina
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Anti-séptico, tônico, antiespasmódico, calmante, digestivo, antibacteriana, carminativa , revulsiva INDICAÇÕES
Reumatismo, nevralgias , hemicrania, excitação nervosa, insônia, vertigens, contusões, feridas, inapetência, má digestão, asma, coqueluche, faringite, laringite, depressão, cistites, enxaquecas, bronquite, corrimento vaginal, prurido vaginal, sarna, piolho
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
Tem aroma suave, haste ereta e densa ramagem. Suas folhas são longas e finas, cobertas de pêlo esbranquiçados na face inferior. As flores, azul-violáceas, reúnem-se em espigas terminais. Todas as partes da planta são perfumadas, mas principalmente as flores, que contém um azeite volátil. Também chamada de lavanda
ORIGEM
Cresce principalmente nas regiões quentes do Mediterrâneo. Foi trazida para a América pelos colonizadores, sendo aclimatada no Brasil
 MODO DE USAR
 DOSAGEM INDICADA
Asma, bronquite, tosse, catarro, gripes, sinusites, tensão nervosa, depressão, insônia, vertigens, cistites, enxaquecas:
coloque 2 colheres de flores em 1 xícara de álcool de cereais a 60%.Deixe em maceração por 5 dias e coe. Tome 1 colher (café) diluída em um pouco de água, 2 vezes ao dia. Pode também adicionar este preparado à água de banho.Faça banho de imersão por 20 minutos.
Asma, bronquite, tosses, catarro e gripes:
Decocção
Ferver por 2 minutos, em um litro de água, 60g de sumidades floridas de alfazema. Filtrar e beber o líquido de 4 a 6 xícaras ao dia.
Infusão
Colocar em infusão, por 5 minutos, 5 g de flores de alfazema em uma xícara de água fervente. Adoçar com mel e beber. Repetir a dose 4 vezes ao dia.
CANSAÇO
Óleo de alfazema
Em um recipiente, colocar 3 quartos de litro de um bom azeite e um punhado de flores frescas de alfazema. Fechar bem o recipiente e colocá-lo em um lugar fresco onde deve ser deixado por cerca de 20 dias. Filtrar o óleo sobre um tecido de linho. Pingar algumas gotas do óleo sobre um torrão de açúcar e deixar derreter lentamente na boca. Também algumas gotas de essência de alfazema sobre as têmporas e pulsos dará um grande alivio àquele que se sente cansado por excesso de trabalho ou por uma vigília prolongada. CONTUSÕES
Alcoolato de alfazema:
Colocar em infusão, por 15 dias, 50 g de flores de alfazema em 1 litro de álcool. Filtrar o líquido e colocá-lo em um vidro provido de tampa em esmeril. Contra as contusões, friccionar suavemente com um pouco de líquido para aliviar as dores e fazer desaparecer a inflamação.
FRICÇÕES
Verter na palma da mão algumas gotas de essência de alfazema e friccionar a região contundida. A essência de alfazema encontra-se à venda em farmácias especializadas.
DIURÉTICO
Colocar por cinco minutos 5g de flores de alfazema em uma xícara de água fervente. Filtrar e beber 3 xícaras ao dia.
ESTÔMAGO(MÁ DIGESTÃO)
Óleo de alfazema, vide cansaço.
Pingar algumas gotas do óleo de alfazema em um dedo de água ou um torrão de açúcar para tomar após a refeição.
Alcoolato de alfazema, vide contusões. No álcool empregado para uso interno, certificar-se ser álcool de cereais, próprio para consumo. Antes de cada refeição, beber dois dedos de água na qual foram diluídas alguma gotas de alcoolato de alfazema.
EXCITAÇÃO NERVOSA
Infusão Em uma xícara de água quente, colocar em infusão uma pitada da mistura obtida com: 30 de flores de alfazema, 10g de camomila, 5g de hipérico, 5g de lúpulo, 5g de raiz de valeriana. Filtrar o líquido e beber antes de deitar-se. Inalação Em uma tigela com água fervente e esfumaçante colocar algumas gotas de essência de alfazema, colocar a cabeça sobre o recipiente, tendo à testa uma toalha. Aspirar profundamente os vapores.
FARINGITE
Decocção Ferver por dois minutos 40g de flores de alfazema em 1 litro de água. Filtrar o líquido ainda morno. Tomar de 4 a 6 xícaras ao dia.
FERIDAS
Desinfetante A falta de um desinfetante alcoólico pode ser suprida, momentaneamente, com alguma gotas de essência de alfazema vertidas sobre a ferida.
HEMICRANIA,VERTIGENS
Ver cansaço.Tomar seis ou sete gotas muitas vezes ao dia. Contra as vertigens, algumas gotas em pouca água.
INSÔNIA
Alcoolato de alfazema Ver contusões. Pingar algumas gotas de alcoolato em um torrão de açúcar e deixar derreter na boca. Decocção Ferver uma pitada de alfazema em uma xícara de água. Filtrar,adoçar e beber antes de deitar-se. Infusão Ver excitação nervosa. Uma ou duas xícaras antes de deitar-se. LARINGITE,COQUELUCHE E TOSSE
Infusão Colocar 50g de flores de alfazema em um litro de água fervendo. Filtrar e beber de 4 a 5 xícaras, adoçadas com mel, durante o dia.
NEVRALGIA
Óleo de alfazema Ver cansaço. Algumas gotas de óleo sobre um torrão de açúcar. Deixar derreter na boca. Infusão Misturar as seguintes ervas: 20g de flores de alfazema,60 g de flores de prímula medicinal e 20g de flores de camomila. Colocar 5g desta mistura em uma xícara de água fervente e deixar repousar por meia hora. Filtrar e beber em seguida. A dose deve ser repetida de 2 a 3 vezes ao dia.
OUTRAS AFECÇÕES
Corrimento vaginal,prurido vaginal,sarna,piolho
Coloque 2 colheres(sopa) de flores em 1 xícara (chá) de vinagre branco. Deixe em maceração por 3 dias e coe.
No caso de pruridos e corrimento vaginal,adicione 2 colheres(sopa) à água de banho. Faça banho de assento 1 vez ao dia.
Para piolhos aplique no couro cabeludo, com ligeira massagem, deixando agir por 2 horas. Em seguida enxágüe e passe o pente fino.
Para sarnas, aplique com um chumaço de algodão.
Escaras de decúbito, queimaduras, picadas de inseto, afecções da pele(eczemas,dermatites e psoríases): Em 1 xícara(chá) coloque 2 colheres (sopa) de flores e adicione óleo de cozinha. Leve ao fogo, em banho-maria, por 1 hora. Espere amornar e coe. Aplique nos locais afetados, com um chumaço de algodão, de 2 a 3 vezes ao dia.
CONTRA INDICAÇÕES
Seu uso dentro das doses preconizadas não tem contra-indicação. Nas mulheres grávidas deve-se evitar o uso em doses altas por ser estimulante uterino.
Formatação e pesquisa: Helio Rubiales
Fonte:
 ci-67.ciagri.usp.br
pt.wikipedia.org
geocities.com

Um comentário:

  1. Caro amigo blogueiro,
    achei seu espaço muito interessante.
    PARABÉNS.
    Abraço.
    Fábio Luís Stoer

    ResponderExcluir