PLANTAS MEDICINAIS

As plantas consideradas medicinais, contém substâncias bio-ativas com propriedade terapêuticas, profilática e paliativa, conhecidas desde os tempos remotos. Essas plantas são utilizadas pela medicina atual, chamada fitoterápia e suas propriedades são estudadas nos laboratórios farmacêuticos, a fim de isolar as substâncias que lhe conferem propriedades curativas. Muitas destas plantas são venenosas ou tóxicas, devendo ser usadas em doses muito pequenas para terem o efeito desejado. Toda a planta, mesmo alimentícia, pode ser potencialmente tóxica dependendo da dosagem.

PASSE O CURSOR SOBRE A FOTO PARA LER (NÃO CLIQUE)

TEMÁTICA

As plantas medicinais são utilizadas pela medicina atual (fitoterapia). Entretanto, a planta “in natura” ou pré porcessada utilizada pela população sem recomendação médica é uma prática denominada “Medicina Popular” e obviamente tem seus riscos, como a dificuldade em se estabelecer dose, posologia e, em alguns casos, a verdadeira identidade de algumas espécies.

Desta forma, este espaço apresenta o uso das plantas medicinais como alternativa terapêutica e para tanto, deve ser acompanhada por um profissional da saúde.



LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico, apenas informativa. Consulte sempre um profissional da saúde para qualquer tipo de informação.

18 de mai de 2012

COENTRO - Coriandrum sativum L. - Propriedades Medicinais - 110

Planta
Flores
FAMÍLIA 
Umbeliferae 
NOME CIENTÍFICO 
Coriandrum sativum L. 
NOME POPULAR 
Coendro Inglês: coriander, Italiano: coriandolo , Francês: coriandre, Espanhol = culantro 
PARTE USADA 
Folha, fruto e semente 
PRINCIPIO ATIVO 
Óleo essencial contendo coriandrol, Óleo fixo, Pectinas,Taninos, Açúcares, Mucilagens ,Amidos, Flavonóides, Limoneno , Terpineno. Compostos de linalol, pineno, cimeno e pentosanas 
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS 
Possui propriedades carminativas e estomáquicas. Usado para corrigir o sabor desagradável de diversos medicamentos; associa-se a certos purgativos com fim de evitar cólicas que estes podem produzir, como se observa com o sene e o ruibarbo. Tem propriedades excitantes, em doses fracas; quantidades maiores ocasionam uma espécie de embriagues e quando muito elevadas produzem fenômenos tóxicos. Diurética, Antiespasmódica, Antiinflamatórias, Carminativas (liberta os gases), Tônica, Estomacal 
INDICAÇÕES 
Debilidades estomacais, Cólicas abdominais, Flatulências, Feridas, Abcessos, Tumores, Atonia gastrintestinal, Apetite excessivo, Ansiedade e nervosismo 
 DESCRIÇÃO BOTÂNICA 
Planta de 15 a 50 cm, glabra, erecta, segmentos das folhas inferiores ovado-acunheados, os das superiores partidos em lacínias (segmentos) lineares, brácteas involucrais 0 a 1; brácteas umbelulares geralmente 3, lineares; cremocarpo (fruto das umbelíferas) com 2-6x2-5 mm. 
ORIGEM 
Região mediterrânea, sendo muito cultivada no Norte da África, em Marrocos, e na Europa. CURIOSIDADES HISTÓRICAS 
O nome dessa planta tem origem grega "Koriandron", que significa percevejo. Esta erva é cultivada na medicina e culinária há pelo menos, três mil anos. Foram trazidos para Europa pelos Romanos. Os chineses chegara a acreditar que a planta conferiam a imortalidade, e na Idade Média faziam parte dos elixires do amor, como afrodisíacos. 
MODO DE USAR
Uso Interno Infuso: 1 colher de sopa de folhas, frutos ou flores (todos juntos) picados, para 1 litro de água fervente. Tomar 2 a 3 xícaras por dia. Infuso: 3-5g para 1 xícara de água fervente. Pó: 3-5g, após as refeições. Pode ser usado junto com mel. Uso Externo 4 a 5 colheres de sopa da substância, para 1 litro de água.
CONTRA INDICAÇÕES.
Pode provocar perturbações e lesões renais, quando usada em doses excessivas
Formatação e pesquisa: Helio Rubiales
Fonte:
unilavras.edu.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário